Copy
Clique para ver no navegador
28 de outubro de 2022

Centro da disputa eleitoral, Minas Gerais tem trabalhadores assediados, fiscalização ameaçada e fazendas flagradas com trabalho escravo

Folgas, churrasco, cesta básica, um pernil para cada empregado, boi no rolete, sorteio de dinheiro e até 14º salário são algumas das ofertas de patrões mineiros a seus empregados, caso o presidente Jair Bolsonaro (PL) seja reeleito no próximo domingo (30), revelou a Repórter Brasil nesta semana. Em caso de derrota, porém, a perspectiva é de punição, com demissão, corte de vagas, transferências de cidade ou até o fechamento da empresa.

Segundo maior colégio eleitoral do país, com 16 milhões de eleitores, Minas é apontado como estado-chave para a eleição presidencial, sendo um dos principais palcos do embate entre Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta reta final de campanha. 

No mês de outubro, a pressão eleitoral recaiu sobre os trabalhadores. O Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais abriu 350 investigações no segundo turno por assédio eleitoral de empregadores, que vão de promessas de benesses a ameaças de demissão. A prática é proibida por lei e pode levar à prisão.

“Como Minas pode decidir a eleição, a disputa acaba resvalando para as relações de trabalho, num esquema de voto de cabresto moderno”, afirma a procuradora do trabalho Ana Cláudia Nascimento Gomes.

As ameaças e ofertas aos trabalhadores podem ser configuradas prática de assédio eleitoral e abuso do poder econômico do empregador.

São crimes previstos nos artigos 299 e 301 do Código Eleitoral, com pena de até quatro anos de prisão e pagamento de multa, como ocorreu um fabricante de iates de luxo. No caso de servidores públicos coagidos, a pena é de detenção de até seis meses, mais multa.

Enquanto a pressão aumenta sobre os trabalhadores, a fiscalização trabalhista sofre com a falta de dinheiro para atuar em Minas Gerais, já que 55% dos recursos foram cortados no governo Bolsonaro. Auditores fiscais do trabalho disseram à Repórter Brasil que não há verba para gasolina e outras despesas. Com isso, as equipes não podem investigar denúncias em MG, incluindo de suspeitas de trabalho escravo.

O trabalho da fiscalização é fundamental para mostrar como grandes empresas se beneficiam da exploração da mão de obra. Também em outubro, a Repórter Brasil mostrou que fazendas de café gourmet e certificado em MG foram flagradas com trabalho escravo

Uma operação resgatou 27 vítimas nas Fazendas Olhos D’Água e Klem, nas cidades mineiras de Campos Altos e Manhumirim, respectivamente. O caso chamou a atenção pois duas propriedades contam com a certificação da Rainforest Alliance, principal organização internacional que fiscaliza cadeias produtivas de alimentos, O selo deveria garantir que e atesta que o café é cultivado sob boas práticas socioambientais. 

Em um dos flagrantes, na Fazenda Klem, a fiscalização trabalhista encontrou parte do grupo resgatado colhendo café de meias e descalços. Aliciados na Bahia, os safristas atuavam na informalidade, sem registro em carteira ou garantia de direitos trabalhistas.

Em outubro, o Ministério do Trabalho atualizou a "lista suja" do trabalho escravo com 95 novos empregadores responsabilizados por submeter 685 trabalhadores às formas contemporâneas de escravidão. Alguns dos casos revelam perversidade. 

Em um deles, os trabalhadores ficavam trancafiados em um porão sem janelas nem entradas de ar, dormiam amontoados e trabalhavam diuturnamente na produção de cigarros falsificados. Parecia um filme de terror, mas era a vida real de 17 trabalhadores paraguaios e um brasileiro em Triunfo (RS), a 80 km de Porto Alegre, descoberta durante operação em outubro de 2021. 

Também em outubro, a "lista suja" sofreu um duro golpe. Flagrada sete vezes com trabalhadores em situação análoga à escravidão em suas obras, a última delas no ano passado, a construtora MRV assinou acordo com o governo que a deixa de fora da “lista suja” do trabalho escravo. Com isso, a empresa garante acesso a crédito e evita constrangimentos que poderiam dificultar novos negócios. 
 

Tarcísio e Onyx lideram doações de infratores ambientais

A cada R$ 100 arrecadados pelas campanhas dos candidatos a governador Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) e Onyx Lorenzoni (PL-RS), R$ 20 vieram de doadores com histórico de multas ambientais. Aliados do presidente Jair Bolsonaro, cuja gestão é marcada por ações predatórias ao meio ambiente, os dois políticos estão no topo do ranking de financiamento por infratores entre todos os que disputam o segundo turno das eleições para os governos estaduais, de acordo com cruzamento de dados feito pela Repórter Brasil. 

Mostramos também que empresários ‘sustentáveis’ lideraram doações para campanha de Ricardo Salles. Eleito deputado federal por São Paulo com a quinta maior votação do país, ex-ministro do Meio Ambiente também foi financiado por donos de construtoras que beneficiou; herdeiro do grupo Votorantim e dono da Localiza foram maiores doadores.

Empresa que vende ouro para big techs perde selo de qualidade após denúncia da Repórter Brasil

A Marsam Refinadora, que processa ouro de empresa investigada por comprar o metal extraído ilegalmente de terras indígenas brasileiras, perdeu o selo de qualidade da RMI (Responsible Minerals Initiative), entidade usada pelos gigantes da indústria mundial para garantir fornecedores “sustentáveis”. Na prática, a refinadora brasileira deixa de ser considerada confiável para vender ouro para cerca de 300 empresas que estão listadas na bolsa de valores estadunidense – e que usam o metal em seus produtos.

A retirada da Marsam da lista da RMI acontece menos de três meses após investigação inédita da Repórter Brasil mostrar que ouro ilegal de terras indígenas chegam às quatro marcas mais valiosas do mundo: Apple, Google, Microsoft e Amazon. Essas e outras multinacionais usam a lista da RMI para escolherem seus fornecedores. Durante a investigação, a Apple afirmou que deixaria de comprar da Marsam, após os questionamentos enviados pela reportagem. 

Leia a reportagem completa

Outras investigações da Repórter Brasil em outubro:

 

Apoie o jornalismo independente 

A Repórter Brasil investiga e denuncia trabalho escravo, conflitos socioambientais e violações de direitos humanos em grandes reportagens que dão visibilidade aos mais vulneráveis do país. Em duas décadas, nossas investigações e documentários ganharam mais de 20 prêmios. Basta um clique para doar qualquer valor, seja com uma contribuição mensal ou única. Obrigada!

Apoie o jornalismo investigativo da Repórter Brasil
Quer receber a newsletter da Repórter Brasil? Cadastre seu e-mail aqui. Não custa nada.
Website
Twitter
Facebook
Instagram
YouTube






This email was sent to <<Endereço de e-mail>>
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
Repórter Brasil · Rua Bruxelas, 169 · Sumaré · São Paulo, SP 01259-020 · Brazil